sábado, 18 de dezembro de 2010

Era só um sonho

Por Valentina


Acordei. De novo. Mas uma vez, eu sonhei com aquele garoto que eu não sabia quem era e não tinha idéia de como veio parar no meu subconsciente. Era estranho. Nos meus sonhos, ele aparecia sempre na mesma posição. Olhava para mim, como se esperasse alguma coisa. Uma das mãos ficava no bolso.Não tirava nunca. Eu corria desesperadamente atrás dele, mas não me mexia. Não avançava nem retornava, apenas corria em uma esteira imaginária, tentando alcançá-lo. Por mais que tentasse, não conseguia me levantar. Então ele sumia e eu acordava sempre á 1 hora e 13 minutos. Mas, afinal, não devia ser nada. Muitas pessoas têm sempre o mesmo sonho. Voltei a dormir e só acordei novamente de manhã. Como de costume, me arrumei e fui para a escola. A pé, claro. Fui pelo caminho mais curto,como de rotina. Passei pela padaria do seu Jorge, pela papelaria da Sra.Feck e pelo supermercado Grott. Esse último sempre me chamava atenção. Não o supermercado em si, mas o caminho ao lado. Nunca o havia seguido para ver aonde dava, mas sempre tive curiosidade. Não sei por que, mas hoje especialmente o fiz. Iria matar aula, mas e daí? O caminho de longe parecia seguro e amplo, mas depois foi tomando mais característica de uma ilha. Pensei em voltar, mas decidi avançar. A trilha começava a ficar mais fechada, mas eu continuava... De repente, ouvi um som. Uma música. Ela vinha de um lugar que se destacava do restante da floresta em que a trilha tinha me metido. Era como uma clareira, com apenas uma pedra no centro. Uma pedra grande o suficiente para servir de banco. Passei os olhos em tudo e nada me despertou lembrança alguma. Até que vi quem estava na pedra. Era ele. O garoto que me acordava todas as noites. Moreno, o rosto perfeito. Ele era mais alto que eu, tinha lindos olhos castanhos e o maxilar definido. Exibia um sorriso tímido no rosto.
- Oi. – disse, tímido. – Deve me reconhecer de algum lugar. Sou Matheus.
Eu não conseguia acreditar. O garoto dos meus sonhos, parado na minha frente. Fiquei paralisada. Sentia dentro de mim um aperto forte no coração. Sentia-me feliz, acima de tudo. Como se esperasse por aquele momento em minha vida toda. Olhei para baixo, tímida. Vi meu relógio. 1 hora e 13 minutos. O susto foi tão grande que dei um pulo pra trás. Percebi que ele tinha sumido. O garoto tinha sumido! No seu lugar, apenas um lápide no chão. Cheguei mais perto, gelada de medo. E li os dizeres que eu mais temia. “Matheus Jefferson, 17 anos. Descanse em paz.” Desmaiei. Acordei no meu quarto. Era outro dia, de manhã. Logo pensei que era tudo um sonho. Outro sonho estranho. Na escola, sentei-me na classe quieta.
– Temos um aluno novo. – disse a professora. – Por que não diz o seu nome?
– Matheus Jefferson – ele disse, com uma mão no bolso.

Fonte: Socorro eu cresci

Nenhum comentário: