quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Às vezes, mundo

Às vezes, mundo
autora: Carina Freitas da Rosa

Às vezes, viemos ao mundo.
Às vezes, nascemos no mundo.
Às vezes, conhecemos o mundo.
Às vezes, sonhamos com o mundo.
Às vezes, fantasiamos mundos.
Às vezes, mudamos com o mundo.
Às vezes, descrevemos o mundo.
Às vezes, vivemos no mundo.
Às vezes, transcrevemos ao mundo.
Às vezes, o que queremos
não está em todo mundo.

Amor, amizade que pega fogo

Acredito nisso! Amor, amizade que pega fogo. Acredito, porque só quando você conhece a pessoa (suas manias, desejos, vontades, coisas preferidas) é que, realmente, vai surgindo sentimentos como admiração, carisma, companheirismo, cumplicidade, confiança e segurança. Que considero elementos principais de uma relação a dois (tanto pra amizade, quanto pra amor), pois o amor é a junção de todos os sentimentos unido num só. O que torna o amor o sentimento mais puro e belo.
Estou fazendo pesquisas mentais para entender melhor sobre relacionamentos. Quero entender várias questões que me intrigam profundamente e que quase não me deixam dormir. Acho que posso estar ficando louca, mas até que eu estou gostando. Engraçado, eu sei! Mas é a pura realidade! Estou fazendo anotações sobre as conclusões que chego para que um dia possa se tornar em um livro que já dei até mesmo um título, "Laços Humanos", que falará sobre relacionamentos e vínculos que criamos antes mesmo de nascermos. E com isso espero ajudar milhares de pessoas no mundo inteiro, porque acredito que estamos nessa vida para praticar o bem, não importando a quem.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Abra os olhos

Já percebeu que todo mundo diz que devemos abrir os olhos que seu "príncipe encantado" está onde você menos espera? Pois bem, como é que eu vou ficar de olhos abertos se a maioria dos meus amigos são garotas? E se eu fosse convidar um amigo pra ir no cinema ou ver uma peça de teatro logo pensariam que eu estou afim. Será que não podem pensar que eu gosto da companhia deles, sem segundas intenções? Por que as pessoas tem que complicar tanto se tratando de relacionamentos? Quero dizer, é tudo tão simples! E como posso me apaixonar ou amar alguém se eles já querem partir logo pra prática (ficar, namoro) ao invés de começar pela teoria (amizade)?
Às vezes, fico pensando "o que estou fazendo aqui?", eu sou tão fora DESSA realidade (no bom sentindo, não no sentido pejorativo). Sou TÃO diferente, não querendo discriminar a diferença, pois sou completamente a favor de toda a diferença do mundo. Mas, é tudo tão fácil, tão simples, tão óbvio que é difícil entender como as pessoas NÃO conseguem entender!
Estou pensando em abrir um curso para ensinar coisas importantes que se deve saber sobre os relacionamentos. Ou talvez eu escreva um livro sobre isso. Hum... Está aí, uma ótima idéia! É isso que vou fazer!

E levo esse sorriso, porque já chorei demais


Nossa! Que coisa gostosa que é a vida! Ela é simplesmente maravilhosa, apesar dos prós e contras.
Eu não ia ter muitos trabalhos da faculdade, se não estivesse atrasada com eles, por causa de uma falta na aula de desenho de observação. Ainda bem que essa história do PIBIC já terminou, senão estaria perdida. Ano que vem estou pensando em um monte de projetos. Quero ver se consigo criar outra proposta de PIBIC, só que desta vez quero fazer algo relacionado ao teatro, por exemplo, moda e teatro ou o figurino no teatro, alguma coisa assim. Também quero ver, se consigo terminar meu romance nas férias de verão. Tomara que consiga, pois durante o ano letivo é MUITO complicado, não sobra tempo para escrever quase nada. Estava pensando em trabalhar. A área de editoração gráfica, diagramação é bem interessante.
Por enquanto, está tudo tranquilo no reino das maravilhas de meu mundo. Mas tenho que terminar de ler o livro da biblioteca logo, estou desde agosto lendo-o. Não que eu leia devagar ou não goste de ler, o pior é encontrar tempo para tal e se tenho, estou morrendo de sono ou preguiça.
Ah, meu Jesus Cristinho! Agora lembrei que ainda nem comecei a ler o livro de italiano. No italiano já sei que estou ferrada. Queria me dedicar mais, só que é humanamente impossível, principalmente se tratando de mim. Confesso que sou desorganizada e preguiçosa, mas vai dormir tarde e levantar cedo pra ver se você também não ficaria preguiçoso. Pensando bem, acho que tenho bastante coisa pra fazer e se eu não começar logo, vou me ferrar!
E a vida social você pergunta? Nunca tive, quero dizer, sempre tive, mas não daquelas de ir à balada. Pra ser BEM sincera nunca fui de balada. Não gosto muito. Prefiro festas particulares. Essas, eu adoro!
Às vezes, eu acho que mudo de assunto como se muda de roupa. Talvez, seja paranóia minha. Talvez, não. Quem sabe? Eu não costumo ler duas vezes, só se for uma cronica ou poesia, daí eu quero que fique perfeita. Mania a minha de perfeição! ¬¬
É gostar de escrever, né? Quero ver quem leria tudo isso, se alguém entrasse aqui.

domingo, 26 de outubro de 2008

Vida, uma caixinha de surpresas

Minha vida é baseada em incertezas e de meias verdades. Considero isso como uma virtude ou um dom, um milagre divino, um sopro de vida que carrego na escuridão da minha mente, na luz de minha alma. A incerteza do que viverei amanhã é a certeza de que algo de novo vou conhecer. As meias verdades... Bom, não são más, mas nos deixam abater. Gosto de viver em minhas meias-verdades, pois são nelas que crio meu mundo. Um mundo inteiramente meu. Um mundo repleto de amor, paz, fantasias e muita magia.
Vivo em constante alegria, apesar de que não desperdiço a tristeza. As pessoas tem o mau hábito de julgarem a tudo e a todos. E a tristeza é um dos sentimentos prejudicados com o pré-conceito. Pois ela não é ruim. É um sentimento nobre que nos avisam quando as coisas em nossa vida não estão indo bem. É o alerta!
As lágrimas que, às vezes, rolam pelo meu rosto não são de todo mal. Elas limpam, purificam e aliviam minhas dores e dissabores. Somos parte de um todo. Somos parte de nós mesmos. Vivamos como Deus manda. Vivamos como nossos coração, mente e alma dizem para fazermos.
Vida, uma caixinha de surpresas. Basta que nós olhemos as coisas com outros olhos que tudo que é difícil, feio, chato, desanimador e triste fica mais fácil, belo, legal, empolgante e alegre. Basta uma pequena parada para observar o mundo a nossa volta para saber que ele é magnífico!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Choradeira na aula de italiano

Hoje a aula de italiano teve prova oral e exercícios, também oral. E um dos assuntos que falamos era sobre amizade. Pra quê? Deu uma choradeira... Claro que eu tive que chorar mais, porque sou uma chorona nata! Mas também, vai perguntar sobre amizade justamente pra mim? Pra quê, né?
Recordei-me do tempo em que minha melhor amiga, companheira e irmã ainda era viva. Que saudades tenho dela. Minha bonequinha e filhinha amada que vive em meu coração e pensamentos, porque a amo demais e nunca me esquecerei de como éramos felizes juntas, de como brincávamos, de como riamos e nos divertíamos.
Tu és a amiga que sempre esteve do meu lado em cada momento de sua breve e curta vida. Tu fostes o meu anjinho a estrela que mais brilho, os raios do sol que me iluminou, a flor que desabrochou e falta que me causou.
Por que as coisas tiveram esse fim? Por que chegaram a esse ponto? Sinto tanto a sua falta! E espero que aonde quer que estejas, estejas bem, feliz e segura. E que nunca se esqueça de nós que amamos muito, por mais que tenhas passado rapidamente em nossas vidas, já deixaste uma marca, uma marca profunda em nossas lembranças e corações. Amo-te Marina e sempre vou te amar!
"Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente eu sei que vou te amar
E cada verso meu será
Pra te dizer que eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida
Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que a tua ausência me causou
Eu sei que vou sofrer
A eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida."
(Tom Jobim / Vinícius de Moraes)

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Estresse e correria

Nooooossa! Estou tão estressada e cansada que preciso desabafar um pouco, apesar que está chegando a hora de ir pra faculdade e eu ainda nem arrumei meu material. Mas a necessidade de falar e escrever pra alguém falou mais alto aqui dentro do peito. Preciso aliviar o peso.
Bom, o negócio é que tenho muitas coisas pra fazer e estou sofrendo a maior pressão pela professora da faculdade, tudo por causa de um projeto de pesquisa (que está me tirando o sono), porque de moda não tem nenhum ainda, mas também, o curso é novo, né?
O pior de tudo é que não tenho só a proposta do projeto de pesquisa pra entregar, tenho outros trabalhos da faculdade, arrancar o último ciso e mais um monte de pipinão. Penso que as pessoas acham que não tenho mais nada pra fazer da vida, porque sempre me colocam em cada furada (furadas boas, mas que me deixam aflitíssima).
Olha, esse ano eu me estressei demais, por causa das pessoas. Elas quando dão pra enxer, conseguem transbordar o copo. É tanta coisa! Não é a toa que quando chega domingo durmo o dia inteiro, mas também as pessoas só sabem me chamar e chamar e chamar. Parece até que não conseguem fazer nada sem mim. Cruzes! Daí, se eu ficar doente, vocês já sabem porquê.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Coisas do core

Estava eu aqui no orkut da minha amigona, quando vi em seu perfil que ela tinha um blog. Interessei-me logo que vi o link. Entrei. E comecei a ler do primeiro texto que ela escreveu ao último e em cada um, eu fazia uma observação num comentário. Estou adorando. É tão bom saber sobre o que anda acontecendo na vida de quem amamos.
Ela escreveu em um dos post que ela ficou decepcionada emocionalmente, então ela começou a se dedicar ao estudo para esquecer os contos de fada e principes encantados. Foi aí que apareceu alguém. Bem, aconteceu a mesma coisa comigo. Mas apareceram alguéns. E ninguém que me correspondia de fato, apesar de que nutro secretamente um amor ou talvez dois, que se eles se interessarem por mim iria correndo para seus braços.
Bom, talvez a vida não seja exatamente como gostaríamos. E estava pensando em algumas coisas que estão acontecendo e cheguei a conclusão de que me irrito com coisas tão... Pequenas! Na verdade, é apenas com uma coisa que está me irritando. E o pior de tudo, é que está relacionado com minha vida amorosa, que é uma piada! Não que eu seja feia ou que não aparecem garotos interessandos. Até que aparece! Mas não são como eu espero que sejam. Quero dizer, eu espero que seja um homem que me passe segurança, que eu me sinta segura perto dele, além de amada, é claro! E até agora só apareceram garotos, a qual me sentia uma palhaça, pra ser bem sincera. E eu não gosto de me sentir assim. Não sou uma palhaça para ser motivo de chacota.
Estou escrevendo tudo isso porque tem uma pessoa que não tem nada a ver comigo, mas ele fica correndo atrás, sendo que não vai ter chance, eu sei. Meu coração é que manda em mim e não minha cabeça, por isso sei muito bem. E quando meto uma coisa na cabeça é difícil de tirar. E esse mesmo cara fica me ligando de vez em quando e nas horas mais impróprias. Descobri que me irrita falar no telefone, engraçado, né? Eu prefiro uma carta eletrônica ou por correspondência. Mas telefone é uma coisa, na minha opinião, para se usar apenas pra deixar recado ou mensagens rápidas do tipo "vamos sair?", "liguei pra dizer isso". Um telefonema deve ser objetivo e não ligar apenas por ligar. Se assim for pelo menos diga "só liguei pra ouvira sua voz", porque isso é romantico e lindo, apesar de que não adiantaria muito que fosse uma pessoa que eu não amasse e, principalmente, se eu estivesse estressada ou cansada.
O ser humano é um bicho complicado de se entender.