sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Vontade de escrever, mas não sei o quê

Estava com vontade de escrever alguma coisa, só não faço idéia sobre o que escrever. Talvez seja meio cliché esse começo, mas é a pura verdade. Estou com vontade de escrever, mas não sei o quê.
Bom, vejamos... Alguma novidade? É, talvez, mas não me lembro. É raro alguém dizer que talvez tenha (o que seria a resposta mais sensata a se fazer), normalmente as pessoas dizem "não tenho nenhuma". Sempre se tem uma novidade pra contar, porque sempre nos acontece ou fazemos algo a cada dia que passa. Mas, às vezes, esquecemos o que nos aconteceu (como no meu caso) por simplesmente não termos prestado atenção as coisas que nos aconteceram e por estamos com a cabeça tão cheia de coisas não nos recordamos das coisas, o que é um mal da humanidade. Ou dizemos que não há novidade alguma por simplesmente ignorarmos os fatos e por ser a resposta mais prática a se dizer, outro mal da humanidade.
Ops... Acabei de me lembrar o que meus dedos estavam ansiando por digitar. É sobre concursos literários. Estou participando de um e aguardo o resultado nervosamente. É para sair este mês. A entrega dos prêmios parece que vai acontecer lá pelo dia vinte e oito. Às vezes, pego-me pensando se estes concursos fazem jus a literatura. Quero dizer, não menos prezar o trabalho dos outros e só porque nunca ganho não quer dizer que a organização seja culpa. Confesso que não sou uma escritora lá muito boa, mas queria ganhar este concurso só para fazer a oficina de literatura que vai ter. E essa oficina quem fará serão aqueles que tirarem o primeiro, segundo e terceiro lugares e os que ganharem menção honrosa. Queria ao menos ganhar a menção honrosa, o que já vale alguma coisa. Mas, alguma coisa dentro de mim fica se perguntando se não tem alguma coisa errada nesses concursos. Por exemplo, participei no ano passado de um concurso literário (só não vou escrever de onde ou de que empresa ou qualquer coisa assim pra preservar a integridade de tal). Era pra ser escrito por um grupo de alunos. Foram selecionados os melhores da minha escola e nós nos empenhamos MUITO para escrever o melhor texto que podíamos sobre o tema que fora proposto. Escrevemos um texto fabuloso, maravilhosamente maravilhoso (redundante, eu sei, mas é pra expressar o quão bom estava o texto). Mas não ganhamos nada. E fico pensando se não foi porque éramos de escola particular, porque os que ganharam nas edições anteriores e na que participamos foram apenas escolas públicas. Não estou querendo menos prezar as escolas públicas, mas isso parece um preconceito contra nós de escola particular. Só porque somos de escola particular não merecemos ganhar? Só porque pressupõe-se que o colégio tem dinheiro para comprar computadores novos para a instituição? E isso não é um tipo de preconceito? Tudo bem que pra empresa valia muito mais doar computadores para escolas públicas do que particulares, mas o concurso deveria ser por talento e não por tipo de escola, senão deveria ser restrito a apenas escolas públicas, já que a empresa quer se passar por boa samaritana. Isso me dá, não raiva, mas tristeza, porque é ridículo tal comportamento. Muitas pessoas podem se enganar com a máscara que a empresa usa, mas, como diz o ditado "quem não te conhece que te compre".

Um comentário:

Alan Ricardo disse...

O mundo realmente é muito injusto e capitalista.. Mas como dizem: o importante é participar.. :D

E eu sei que um dia terei vários livros seus na minha estante!

Te desejo muito sucesso!

=**