domingo, 27 de junho de 2010

Abrindo meu coração

Às vezes, sinto-me como um fantasma. Parece que as pessoas não me vêem. E eu tenho que dizer: “Oi, eu estou aqui”. Às vezes me canso e entrego-me a este sentimento, como se eu fosse realmente um fantasma. Alguém que ninguém vê, ninguém nota ou sente falta, que não faz muita diferença.
Para ser sincera, duvido que as pessoas me conheçam. E nem fazem muita questão de conhecer. Alguns pensam que sou baladeira, por estar sempre agitando para fazermos algo (sair para comer, fazer festa, etc.). Mal sabem eles que faço isso para não ficar sozinha. Porque se eu ficar sozinha, sei que me entregaria a uma tristeza profunda e estou tentando sair dela. Faço-me de forte, mas sou fraca. Se eu fosse realmente forte, não estaria escrevendo estas palavras e nem derramando lágrimas em silêncio ao digitá-las.
Quantas vezes eu quis chorar e segurei-me. Quantas mentiras eu disse quando não agüentava mais segurar as lágrimas teimosas e insistentes. Vivo numa farsa muito bem elaborada por mim. Minto a todos descaradamente. Sou uma pessoa infeliz por isso, porque assim, não minto apenas aos outros minto a mim também. Tento apenas mostrar meu lado forte, meu lado cruel, meu lado bom, ingênuo e bobo. Mal sabem as pessoas que sou completamente diferente quando estou sozinha. Não mostro minhas fraquezas a elas. Não mostro meus medos, minhas inseguranças, minhas lágrimas, meus problemas. Guardo muita coisa apenas para mim. Este é um fardo só meu. É o meu anel do poder, e deve existir apenas um portador. Eu. Além do mais, as pessoas já têm seus próprios problemas, para que levar os meus também? É cada um por si e Deus por todos! E viva o capitalismo! (irônico, não?)
Afirmo agora o que já havia dito uma vez, num exercício de teatro em 2008: "é mais fácil receber críticas do que amor". Críticas, nós já estamos acostumados a receber, mas amor verdadeiro, não.

2 comentários:

Andarilho disse...

Mesmo que seja vc que tenha que portar o anel, vc ainda pode depender dos outros. Talvez vc até ache um Sam que, sem poder carregar o anel, carregue todo o portador, lembra?

Nina Rosa disse...

É verdade! Tens razão! Muito obrigada! ((=^__^=))