quinta-feira, 19 de maio de 2011

Romantismo poético

Passeando pelo facebook, li uma parte de uma poema de Florbela Espanca chamada Fanatismo. É muito linda. BEM romântica! Lembrando que na época do romantismo era normal sofrer de amor. As mulheres usavam espartilhos apertados que faziam-nas ficar sem ar provocando desmaios e assim os homens poderiam "salvá-las", carregá-las no colo. Às vezes, penso que vim dessa época do romantismo, porque volta e meia imagino-me desmaiando para que o homem da minha vida me "salve". Sim, eu acredito em vidas passadas!
Novamente acabei de ver no facebook o seguinte:

"Os ventos, que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que nos trazem algo que aprendemos a amar... Por isso, não devemos chorar pelo que nos foi tirado e, sim, aprender a amar o que nos foi dado... Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre!" (Bob Marley)

E num site, enquanto procurava saber se o trecho acima foi Fernando Pessoa quem escreveu (sendo que encontrei apenas que fora o Bob Marley, então não tenho muita certa nem de um nem de outro, mas a maioria vence), encontrei um trecho dele mesmo (eu acho! internet nunca se pode confiar 100%):

"Enquanto não superarmos
a ânsia do amor sem limites,
não podemos crescer
emocionalmente.

Enquanto não atravessarmos
a dor de nossa própria solidão,
continuaremos
a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes, é
necessário ser um."

Agora, deixo-os com o poema de Florbela Espanca (o motivo desta postagem).

Fanatismo - Florbela Espanca

Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão de meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!

2 comentários:

Andarilho disse...

Tb gosto do romantismo, mas viver com aquelas roupas (e coitada das mulheres com espartilho) não dá. Fora que aprecio muito essa época conectada da gente. ;)

Nina Rosa disse...

Hahahaha... Eu usaria as roupas, mas sem os espartilhos apertados. Tbm aprecio nossa época conectada!